Vem Pra Rua e MBL desistem de protesto contra Lula

Do Blog do Esmael

O Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem Pra Rua, que se notabilizaram na queda de Dilma Rousseff, não conseguiram quórum suficiente para protestar no próximo dia 3 de maio, em Curitiba, durante o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao juiz federal Sérgio Moro.

Nas redes sociais, ambos os movimentos disseminam áudios ofegantes atribuindo o recuo às “orientações” do Exército e da Polícia Federal.

Entretanto, é sabido até mesmo pelo coxinha mais fanático que o desastre do golpe — que produz milhões de desempregados, miséria e aumento de corrupção no país — coloca o MBL e Vem Pra Rua na defensiva.

Na capital paranaense, onde será palco do “confronto do século” entre Moro e Lula, os militantes desses movimentos fascistas são hostilizados em locais públicos. Nas últimas tentativas de manifestação em apoio à Lava Jato e a Sérgio Moro não reuniram gente suficiente para segurar os cartazes.

Enfim, a desistência do protesto daqui a pouco mais de uma semana tem nome: isolamento; pois, caiu a ficha de segmentos médios da sociedade que agora, pós-golpe, veem direitos como a aposentadoria sucumbirem no governo de Michel Temer (PMDB).

Mas para os mais desavisados, o MBL e Vem Pra Rua juram que cancelaram o protesto por que o Exército e a PF informaram que o MST vai radicalizar e blá, blá, blá.

Evidente que tem o cagaço desses fascitoides, mas a verdade é que faz tempo que eles não convencem mais aqueles que fizeram de trouxa para derrubar uma presidente honesta e desmontar o Estado Social — preocupado com o emprego, renda, desenvolvimento econômico, bem como oferecendo como contrapartida acesso à saúde e educação.

Portanto, Vem Pra Rua e MBL “afrouxaram a tanga” porque agora estão com medinho da revolta do povo que enganou nos últimos dois anos.

Leia::  Depois do “OK” a Moreira, Janot e Fachin terão coragem de acusar Lula?

Resumo da ópera: o braço fascista da Lava Jato deixou na mão o juiz Sérgio Moro quando ele mais precisava…

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *