Os sorrisos de Moro são uma confissão silenciosa de parcialidade. Por Paulo Nogueira

Sorrir é um ato de sabedoria, dizem todas as correntes filosóficas.

É uma atitude de força perante as adversidades, e também uma mensagem de solidariedade e amizade aos demais.

Mas há exceções.

Os sorrisos de Sérgio Moro a pessoas especiais para ele, como Aécio e Temer, são simplesmente indecorosos.

Um juiz não pode rir daquela maneira cúmplice, deslumbrada, quase histérica para pessoas de alto envolvimento numa operação anticorrupção que ele comanda.

É falta de decoro. Mostra que o autor dos risos tem um lado. Não é isento. Um sorriso vale por mil palavras. Os de Moro valem por um milhão. São uma confissão silenciosa de parcialidade.

Circunspecção: esta é a palavra adequada a um juiz.

Os sorrisos de Moro a certas pessoas são um acinte à sociedade, a todos os que acreditam na isenção da Justiça e dos juízes.

Leia::  No auge do puxa-saquismo, Globo publica poema de Temer na capa

One comment

  1. What i don’t realize is actually how you’re not actually much more well-liked than you might be right now. You’re very intelligent. You realize therefore considerably relating to this subject, made me personally consider it from a lot of varied angles. Its like women and men aren’t fascinated unless its one thing to do with Lady gaga! Your own stuffs outstanding. Always maintain it up!
    daynamn

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *