O som do grito. Ele assusta e perturba as pessoas mais sensíveis

O grito é um sinal de alarme. As características muito particulares do grito humano mobilizam diretamente a área cerebral relacionada ao medo. Curiosamente, as sirenes artificiais de alarme bem como os sons estridentes da música heavy metal provocam no cérebro os mesmos efeitos.

Por Tristan Vey, Le Figaro Santé -via Saúde 247

O grito é um sinal de alarme. Embora seja provavelmente a forma mais primitiva de se expressar, os cientistas nunca se interessaram realmente pela sua acústica específica. No entanto, temos o direito de perguntar: por que um grito é tão perfeitamente perceptível, mesmo que seja um tanto abafado? Por que ele pode nos aterrorizar e, de forma tão eficaz, nos alertar de um perigo? Em outras palavras, por que ele é tão especial?

De acordo com um estudo publicado na revista Current Biology, o grito ocuparia de fato um lugar especial na paisagem sonora. Do ponto de vista da física dos sons, quando falamos emitimos naturalmente em média quatro picos de som por segundo, que correspondem cada um a uma sílaba. A «frequência de modulação» da palavra é, portanto, de 4 Hz. Este valor não tem nada a ver com a altura do som – seja, se ele é agudo ou grave – mas com alterações de intensidade.

Uma intensidade sonora denominada “aspereza”

Uma equipe de cientistas das Universidades de Genebra e de Nova Iorque, liderada por um jovem pós-doutorando frânces, Luc Arnal, acaba de demonstrar que esta frequência de modulação é muito mais rápida no grito: entre 30 e 150 Hz. «Quando gritamos, soltamos rapidamente uma grande quantidade de ar que, aparentemente, coloca nossas cordas vocais em um sistema de vibração especial que causa essa modulação muito rápida da intensidade sonora, denominada “rugosidade”», ele explica.

Leia::  ONU: 24,6 mil crianças refugiadas correm risco de sofrer transtornos mentais

Essa modulação parece desempenhar um papel mais profundo que a própria potência do grito que, finalmente, serve somente para atrair a atenção dos outros. «Utilizamos os gritos de 19 de nossos funcionários para que fossem ouvidos por 20 cobaias, entre outros sons da mesma potência, mas desprovidos dessa aspereza, diz o pesquisador. O grau de terror ou de constrangimento que inspiram está diretamente correlacionado com a aspereza.» Da mesma forma, um grito cuja aspereza foi artificialmente cancelada, será, em volume igual, menos assustador que um grito natural. Por outro lado, uma música tornada «áspera» por manipulação do sinal será percebida como mais assustadora.

Mais interessante ainda, os pesquisadores descobriram que os alarmes artificiais mais eficazes, dos carros e casas, por exemplo, também tinham essa aspereza. «No entanto, não existe tal indicação nos manuais de design do som, surpreende-se Luc Arnal. Esta prática parece somente baseada em uma abordagem empírica.»

Sons do heavy metal são como gritos

Por que os sons ásperos são bons sinais de alarme? Porque eles ativam diretamente uma área do cérebro, a área das amígdalas cerebrais, sede dos sentimentos e das sensações do medo e do estresse. «Os cantores de heavy metal produzem precisamente sons ásperos”, adverte o cientista. “Tratam-se de sons que ativam essas áreas do cérebro, provocando algum prazer para os fãs desse tipo de sensações. Um tanto do modo como brincamos de sentir medo ao assistir filmes de terror. Mas esses mesmos sons podem ser muito desconfortáveis e perturbadores para pessoas que os interpretam apenas como sinais de alerta a perigos ou desconfortos”.

Os pesquisadores supõem a existência de uma rede de ativação direta, indo do ouvido para as amígdalas cerebrais, sem passar pelo córtex auditivo, que processa o sinal sonoro habitual. Isso explicaria especialmente os tempos de reação mais rápidos observados no estudo para identificar a origem de um grito em vez de outros sons. Resta entender a origem neurofisiológica, ou seja, como um som mais áspero estimula nosso ouvido de forma diferente para que o sinal do cérebro vá diretamente para as amígdalas.

Leia::  Como é feita a salsicha, e o que realmente há dentro dela

«Atualmente, trabalho também em um banco de dados de gritos de recém-nascidos para ver se há alguma especificidade relacionadas com a altura do som, mais agudo, que favoreceria um pouco mais a atenção dos adultos, explica Luc Arnal. Mas trabalhar sobre gritos de crianças é algo um pouco desanimador, é difícil…», ele reconhece.

A ultima linha de pesquisa seria encontrar um modelo físico que permita explicar como as cordas vocais produzem estes sons com uma grande modulação.

Todos esses trabalhos poderiam ter impactos para os designers de som. «Atualmente, fala-se muito dos riscos ligados à intensidade sonora nas recomendações sanitárias, relembra Luc Arnal. Penso que a rugosidade também pode ser um fator de estresse que deva ser estudado com mais afinco se quisermos ambientes sonoros mais suaves.»

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *