O sigilo de Cármem Lúcia e o alívio de Temer são tão cínicos quanto imorais

por Carlos Fernandes, DCM

A quem a presidente do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármem Lúcia, pensa estar enganando quando ao passo que homologa as 77 delações da Odebrecht, mantém o seu mais absoluto sigilo?

Como já é do conhecimento até do reino mineral, no Brasil do golpe não existe um único ato por parte dos grandes figurões de nossa tragédia democrática que não seja milimetricamente pensado e elaborado para que toda essa farsa seja mantida, quando não da mesma forma, com as oportunas mudanças de cenários que as ocasiões da empreitada assim o exigem.

A morte de Teori Zavascki, o relator original da operação Lava Jato, mais do que uma tragédia acidental ou provocada, trouxe um leque de oportunidades na então conjuntura do circo de Curitiba, isso justamente às vésperas do que há muito já é considerada como a delação do fim do mundo.

É triste termos que encarar a morte de um ser humano como a saída providencial de uma quadrilha multi-institucional que tomou de assalto a República, o Estado Democrático de Direito e a Constituiçáo Federal, mas assim é o reino dos chacais.

O fato é que homologar as mais importantes e reveladoras delações de toda a Lava Jato ainda no período de recesso do STF e, portanto, de forma monocrática e independente antes mesmo de ser indicado o seu novo relator, é – independente da inquestionável urgência do assunto e de todo o seu cunho legal – uma autopromoção que cai como uma luva para alguém que, digamos, sonha com voos ainda mais altos.

Não tornar, porém,  público o conteúdo dessas delações, atende, para utilizarmos um termo recorrente nesses dias sombrios, o “timing” necessário para que as peças do nosso xadrez político estejam devidamente posicionadas.

Leia::  Temer dá ministério para Moreira fugir de Moro

Já sabido que as tais delações possuem um monumental poder de destruição voltados especialmente para a cúpula do governo Temer, ele próprio chafurdado até a alma, não é à toa que o Planalto recebeu a notícia da manutenção do sigilo com um profundo “alívio”.

Além de dar tempo para que sujeitos do naipe de Rodrigo Maia e Eunício Oliveira disputem (e provavelmente ganhem) as eleições para presidente da Câmara e do Senado – peças fundamentais para uma sobrevida do governo Temer – ainda abre espaço para os nossos velhos conhecidos vazamentos seletivos.

A grande questão é que Cármem Lúcia, novamente, atua muito menos como uma juíza preocupada com a crise institucional e muito mais como um agente político que, pelo menos por ora, dá suporte aos interesses de um governo visivelmente corrupto, incapaz e inoperante.

A resposta entretanto pode estar na necessidade da plutocracia de se manter um parasita no poder até que as condições necessárias para que o golpe do golpe estejam definitivamente satisfeitas.

Temer pode até ter respirado aliviado por mais esse  “jeitinho brasileiro” encontrado nos gabinetes da mais alta corte do país, mas ele, traidor como ninguém, deveria saber que essa nova bajulação da presidente do STF pode lhe custar muito caro.

Afinal, como dizia Winston Churchil, um bajulador é aquele que alimenta um crocodilo e que espera comê-lo no final.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *