O que a Veja quer de Toffoli?

Por Fernando Brito, Tijolaço

Quando a Veja ataca alguém, pode ser simplesmente coisa de uma revista suja.

Agora, quando a Veja faz campanha contra alguém, pode ter certeza que há algum interesse em jogo.

Em agosto passado, a revista deu uma capa sobre uma “delação” contra o ministro José Carlos Dias Toffoli que não tinha pé nem cabeça, acusando-o de receber uma obra de impermeabilização de laje em sua casa como “propina”.

Claro que os milhões de Serra e Aécio nunca foram capa, não é?

Bem, agora em outra chamada de capa – onde aconselha Luís Fachin a “acelerar” a Lava Jato – diz que o Ministério Publico  quer afastar Toffoli do julgamento dos casos vindos de Sérgio Moro.

Lá dentro você vê que tratam-se de duas “graves” denúncias.

A primeira é que Toffoli teria aceito o pedido de um amigo para reexaminar uma decisão judicial, não importando à revista, claro, se as razões eram boas e se o pedido de reconsideração foi espontâneo, não induzido. Será que pedir para dar atenção a um processo é crime e de tal gravidade?

Não, o crime grave do qual a revista acusa o ministro é semelhante à  infiltração da laje.

É que Toffoli teria ido a festas em Brasília onde havia pessoas suspeitas. Só há uma maneira em Brasília de não ir a festas com pessoas suspeitas presentes: é não ir á festa alguma.

Espera-se, então, que cm tais critérios de moralidade, a Veja peça o afastamento de Gilmar Mendes, por frequentar almoços, jantares e até a casa, nos finais de semana, de pessoas suspeitas na Lava Jato, como Michel temer, José Serra, Aécio neves, todos citados pelos delatores.

Leia::  Temer pode matar Netflix, maior ameaça à Globo

Há duas questões, nas duas capas da revista:

É se a Veja decide por Rodrigo Janot.

E se foi por ordens de Curitiba.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *