Lava-Jato recebe a encomenda preciosa

por Tereza Cruvinel, Blog: Tereza Cruvinel

Lavagem de dinheiro e obstrução da Justiça são crimes considerados de “natureza continuada”. Por isso justificam a prisão preventiva de suposto autor, para que ele deixe de cometê-los. Ao dizer em seu depoimento ao juiz Sergio Moro que o ex-presidente Lula o orientou a destruir provas do pagamento de propinas ao PT, o ex-executivo da OAS Léo Pinheiro parece ter entregado à Lava Jato uma encomenda destinada a justificar eventual prisão de Lula. Mas como tal prisão seria um ato insensato de Moro nesta altura dos acontecimentos, a afirmação de Pinheiro continua sendo uma encomenda, mas com outro objetivo: demonstrar aos procuradores, com os quais negocia uma delação premiada, que abdicou de qualquer lealdade ao antigo amigo e tem munição para detoná-lo, acelerando a condenação e a inelegibilidade.

É sabido que a primeira tentativa de delação de Pinheiro foi recusada pelo motivo óbvio mas não declarado de que, sem acusações a Lula, ela não teria o menor interesse para a Lava Jato.  É sabido que, durante vários depoimentos, procuradores e policiais federais fizeram gestos para os depoentes mostrando uma mão com um dedo a menos. A mão de Lula, para falassem dele.

Os antecedentes e o contexto em que Pinheiro prestou depoimento nesta quinta-feira reforçam a acusação da defesa de Lula, de que ele foi orientado pelos procuradores com quem negocia sua delação, a  apresentar evidências de que tem na bala na agulha contra o ex-presidente, e talvez até mesmo a bala de prata, que viria na delação.

É sintomático, por exemplo, que ele tenha falado em destruição  de provas quando ninguém estava lhe perguntando sobre isso. E que o assunto nem fosse pertinente à ação penal que motivava o depoimento. Estava em pauta o tríplex do Guarujá, e não o pagamento de propinas ao PT.  Sobre o apartamento, Pinheiro correspondeu às expectativas de Moro, apesar das mais de 70 testemunhas que falaram contra a tese de que o imóvel pertença a Lula, e da ausência de provas que a defesa continua cobrando.  Mas este era um tema pertinente, diferentemente do caso da “destruição de provas”. Do nada, Pinheiro saiu-se com a história de que um dia, um tanto irritado, Lula lhe perguntou se fizera pagamentos ao PT no exterior. Se Lula sabia tanto dos negócios com o PT, já devia ter esta informação mas, segundo Pinheiro, fez a pergunte e ouviu a resposta negativa. Então, orientou-o a “destruir tudo”, caso tivesse anotações sobre os pagamentos a Vacari, tesoureiro do PT.

Leia::  Cerra sabia: bruxas não serão caçadas!

Pinheiro admite que tinha anotações mas não deixa claro se atendeu ou não ao suposto pedido de Lula. Se destruiu ou não suas planilhas. Ou seja, entregou a encomenda mas não se incriminou.  Para a Lava Jato, basta a confissão de que Lula mandou destruir provas, e não saber se isso aconteceu ou não.

Embora tenha agora essa arma contra Lula, não parece provável que sobrevenha a prisão, justamente quando o ex-presidente reforça sua condição de favorito na disputa presidencial de 2018. Justamente quando os autores do golpe afundam-se em denúncias de corrupção e Temer confessa a urdidura do próprio golpe. Tudo isso vem sendo percebido pela população e pode tomar a forma de reação a uma prisão de Lula. Moro pode usar a ameaça de prisão, e ainda outros trunfos que tenha guardado, para debilitar a posição a performance do ex-presidente no  depoimento do dia 3 de maio,  onde já chegaria inseguro e temeroso de não sair. Mas prendê-lo agora, não faz muito sentido.

Os interesses da Lava Jato e os da elite que manda e governa nunca foram divergentes. Tanto é que todos os delatados tucanos e peemdebistas continuam aí soltos, apesar das delações da Odebrecht.  Relativamente a Lula, o que importa é tirá-lo da disputa, e não criar um mártir perseguido e preso. Moro tem pressa em exarar sua sentença condenatória para que o recurso de Lula ao TRF-4 seja logo julgado, e assim,  condenado em segundo instância, ele se torne logo inelegível para o pleito de 2018.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *