Globo terá a presunção de inocência que não oferece a Lula?

Acusada por um delator de pagar propinas na compra de direitos de transmissão de jogos de futebol, a Globo soltou nota, nesta tarde, para dizer que está à disposição dos Estados Unidos; é a primeira vez que o maior conglomerado de mídia do Brasil é envolvido diretamente no escândalo, que se desenrola desde 2015; segundo o empresário argentino Alejandro Burzaco, o acerto para o pagamento da propina teria sido feito em junho de 2012, durante um jantar em Buenos Aires, do qual participaram o então presidente da CBF, José Maria Marin; o atual presidente Marco Polo Del Nero e o então diretor de Esportes da Globo, Marcelo Campos; a grande questão é saber se a Globo terá o mesmo tratamento que concede aos alvos que persegue no Brasil, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que a Globo pretende condenar para impedi-lo de disputar as próximas eleições

Do Brasil 247

Acusada pelo delator argentino Alejandro Burzaco de pagar propinas na compra de direitos de transmissão de jogos de futebol, a Globo soltou nota nesta terça-feira, 14, para dizer que está à disposição dos Estados Unidos e que não cometeu crimes de corrupção.

É a primeira vez que o maior conglomerado de mídia do Brasil é envolvido diretamente no escândalo, que se desenrola desde 2015. Segundo o delator, o acerto para o pagamento da propina teria sido feito em junho de 2012, durante um jantar em Buenos Aires, do qual participaram o então presidente da CBF, José Maria Marin; do atual ocupante do cargo, Marco Polo Del Nero; e do então diretor de Esportes da Globo, Marcelo Campos.

A grande questão é saber se a Globo terá o mesmo tratamento que concede aos alvos que persegue no Brasil, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que a Globo pretende condenar para impedi-lo de disputar as próximas eleições.

Leia::  Covardes e mal resolvidos: fãs de Bolsonaro invadem páginas de esquerda para postar fotos gays

Leia, abaixo, reportagem do BuzzFeed sobre o assunto:

Globo pagou propina por direitos da Libertadores e da Sulamericana, diz delator do caso Fifa

Por Ken Bensinger e Alexandre Aragão

Delator no caso de corrupção da Fifa, o empresário argentino Alejandro Burzaco afirmou, durante depoimento em Nova York nesta terça (14), que a Globo pagou propina para adquirir direitos de transmissão de campeonatos de futebol.

O delator disse que, em junho de 2012, participou de um jantar no restaurante Tomo Uno, em Buenos Aires, com a presença do então presidente da CBF, José Maria Marin; do atual ocupante do cargo, Marco Polo Del Nero; e do então diretor de Esportes da Globo, Marcelo Campos.

Na ocasião, segundo Burzaco, o grupo acertou que os pagamentos de propina feitos em decorrência dos direitos de transmissão das copas Libertadores e Sulamericana — que antes eram destinados a Ricardo Teixeira — seriam divididos, dali em diante, entre Marin e Del Nero.

É a primeira vez que o maior conglomerado de mídia do Brasil é envolvido diretamente no escândalo, que se desenrola desde 2015. Burzaco ainda não detalhou as acusações — o depoimento ainda está acontecendo. A emissora nega as acusações e diz que “não pratica nem tolera qualquer pagamento de propina” (leia a íntegra ao final do post).

O ex-executivo da Globo Marcelo Campos e o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira tinham uma relação próxima. Eles eram, inclusive, vizinhos em um sítio na cidade de Barra do Piraí, no interior fluminense.

Ex-presidente da produtora Torneos, também conhecida como TyC, Burzaco negociava com os canais de televisão os direitos de transmissão, tanto na Argentina como em outros países da América Latina.

Leia::  Folha recua e tira do ar texto sobre suposto assédio de José Mayer

O empresário está colaborando com a investigação, que é liderada pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, e pagou US$ 112 milhões de multa. Ele afirmou em seu depoimento à juíza Pamela K. Chen que a Torneos, junto com emissoras de TV, pagou propinas para assegurar direitos de transmissão.

Além da Globo, o argentino citou a Fox Sports — atual detentora dos direitos de transmissão da Copa Libertadores no Brasil, por exemplo — e a mexicana Televisa dentre as emissoras de televisão que teriam feito parte do esquema.

Segundo Burzaco, a Fox Sports pagou US$ 3,7 milhões pelos direitos de transmissão da Libertadores e da Sulamericana. No Brasil, o canal é dono dos direitos para transmitir a competição, que sublicencia para a Globosat, desde 2012, quando estreou por aqui.

O BuzzFeed News não conseguiu contato com a Fox Sports, mas, em outras ocasiões, a emissora negou irregularidades.

Até agora, a principal empresa brasileira envolvida no escândalo da Fifa era a Traffic, empresa de mídia cujo dono, José Hawilla, também fechou acordo com as autoridades dos Estados Unidos. Ele concordou em pagar US$ 151 milhões a título de indenização.

Em sua delação, Hawilla acusou a cúpula da CBF — incluindo o atual presidente, Marco Polo Del Nero — de receber propina em troca dos direitos de transmissão de campeonatos nacionais. O empresário, que é dono da TV Tem, afiliada da Globo no interior de São Paulo, não citou outras empresas de mídia em sua delação.

Ricardo Teixeira e José Maria Marin

Em seu depoimento, Burzaco disse que o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira recebeu US$ 600 mil por ano, desde 2006, a título de propina dos contratos de transmissão da Copa Libertadores e da Copa Sulamericana, torneios organizados pela Conmebol.

Leia::  Xadrez da sinuca de bico da mídia

Segundo o empresário, Teixeira recebia os pagamentos em contas no Oriente Médio, na Ásia e em Andorra. Os pagamentos chegaram a ser viabilizados, segundo o argentino, pelo próprio Teixeira. “Nós tinhamos problemas constantes com bancos que não queriam enviar dinheiro a esses destinos exóticos”, disse Burzaco.

O BuzzFeed News não conseguiu contato com a defesa de Teixeira. Em entrevistaconcedida ao jornal Folha de S.Paulo, em junho, o ex-cartola negou ter recebido dinheiro ilegal.

Outro ex-presidente da CBF, José Maria Marin, também foi acusado pelo argentino de receber propina. Ele está em prisão domiciliar em seu apartamento na Trump Tower, em Nova York, e é réu na mesma ação em que o argentino testemunhou — mas, ao contrário de Burzaco, o brasileiro nega ter recebido dinheiro ilegal.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *