Futuro da Lava Jato virá de um lance de dados?

Ao que tudo indica, o novo relator da Lava Jato será escolhido, por sorteio, nesta quarta-feira, entre cinco ministros do STF: o decano Celso de Mello, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Edson Fachin, que deve pedir sua transferência para a turma da corte que acompanha o caso; ou seja: 20% de chances para cada um, se o sistema não for viciado; ainda assim, qualquer que seja o escolhido suscitará questionamentos – principalmente, se o dado cair no nome de Gilmar Mendes, que se disse amigo de 30 anos de Michel Temer, citado 43 vezes apenas na primeira das 77 delações da Odebrecht; diante desse cenário, a única alternativa para garantir a lisura do processo é pedir o fim do sigilo sobre todas as delações – uma medida que já deveria ter sido tomada pelo procurador-geral Rodrigo Janot e pela presidente da corte, ministra Cármen Lúcia

Do Brasil 247

Nesta quarta-feira, um lance de dados decidirá o futuro da maior investigação sobre corrupção da história do País. Ao que tudo indica, o novo relator da Lava Jato será escolhido, por sorteio, nesta quarta-feira, entre cinco ministros do Supremo Tribunal Federal: o decano Celso de Mello, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Edson Fachin, que deve pedir sua transferência para a turma da corte que acompanha o caso.

Em tese, portanto, serão 20% de chances para cada um, se o sistema de sorteio do Supremo Tribunal Federal não for viciado – o que, pelo histórico recente, não é propriamente uma garantia.

Definir uma escolha dessa importância por meio de um sorteio, no momento em que o Brasil vive, é algo de extrema gravidade. Como muitos sabem, Dilma Rousseff, a presidente legítima, foi afastada por meio de um golpe parlamentar, arquitetado por políticos corruptos que brilham nas 77 delações da Odebrecht.

Leia::  Com direito a beijo na mão de Aécio, Chico Alencar foi a cereja do bolo na suruba da festa de Noblat

O objetivo deste golpe, que já produziu a maior recessão da história do País, foi, como definiu precisamente o senador Romero Jucá (PMDB-RR), estancar a sangria da Lava Jato. Ou, em outras palavras, parar essa porra, como ele mesmo disse.

Há pouco mais de uma semana, a possibilidade de estancar a sangria se materializou quando o ex-ministro Teori Zavascki morreu num trágico acidente aéreo, cujas causas ainda não foram esclarecidas. Além disso, já se sabe que as delações da Odebrecht atingem Michel Temer, que pediu e recebeu R$ 10 milhões que saíram do departamento de propinas da Odebrecht, como vários de seus ministros, como José Serra e Eliseu Padilha. Sabe-se também que Aécio Neves (PSDB-MG), o principal arquiteto do golpe, foi também delatado por propinas nas obras da Cidade Administrativa de Minas Gerais.

Portanto, um sorteio definirá quem irá, em última instância, acolher ou não pedidos de inquérito formulados pela procuradoria-geral da República, contra a elite política do País.

Qualquer que seja o escolhido suscitará questionamentos – principalmente, se o dado cair no nome de Gilmar Mendes, que se disse amigo de 30 anos de Michel Temer, depois de um encontro recente no Palácio do Jaburu.

Diante desse cenário, a única alternativa para evitar dúvidas sobre a lisura do processo é pedir o fim do sigilo sobre todas as delações – uma medida que já deveria ter sido tomada pelo procurador-geral Rodrigo Janot e pela presidente da corte, ministra Cármen Lúcia. Medida esta que já foi defendida pela Ordem dos Advogados do Brasil. Só assim será possível evitar que o Supremo asse a maior pizza da história da humanidade.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *