Doria tenta eliminar Eike de sua biografia porque se enxerga nele

Eles

por Kiko Nogueira, DCM

João Doria apagou os elogios que fez a Eike Batista nas redes sociais. Em 2011 e 2012, Doria dirigiu vários encômios ao empresário.

“Se privatizar e Eike administrar, vai melhorar!”, escreveu.

Eike foi homenageado por sua empresa Lide com o prêmio “empreendedor do ano”. O almoço com ele foi uma “lição de eficiência e otimismo”.

A assessoria do prefeito de São Paulo está tentando também tirar do YouTube uma entrevista de seu programa Show Business.

Nela, Doria, pegajoso de carpete, diz que “o Rio é do Brasil e o Eike também é do Brasil”. Sobre Sérgio Cabral, afirma que é amigo dele “desde menino”.

Doria estava fazendo o que sempre fez: bajulando o poderoso de ocasião e tentando faturar. Mas o revelador de seu caráter e de seu estilo de gestão é a tentativa desesperada — e, de resto, inútil — de apagar o passado.

Doria poderia alegar que foi enganado por Eike. Ponto. Estaria em seu direito, já que todo o mundo foi enganado por Eike.

Em 2012, ele apareceu como o oitavo homem mais rico do mundo em uma lista da Bloomberg. Garantia que assumiria o topo do ranking em 2015 ou 2016.

Vivíamos tempos de otimismo, de pré-sal, de futuro brilhante, de Brics. “O Eike é nosso padrão, nossa expectativa e orgulho do Brasil”, afirmou Dilma.

A Veja deu uma capa com o ex-marido de Luma vestido de Deng Xiaoping, triunfal, símbolo de uma nova geração de milionários nacionais.

A revista Alfa, sob minha direção, também estampou Eike na capa (seu assessor me contaria, anos depois, que viu o chefe chorar no banheiro numa reunião com seus acionistas quando a derrocada ficou inevitável).

Leia::  De Gilmar aos coxas, o silêncio vergonhoso diante da nomeação do mega delatado Moreira

Eike representava um sonho — jeca, admitamos — de que o brasileiro podia chegar lá. Como os chineses, tínhamos um compatriota entre os top 10 dos bilionários da Forbes.

A bolha Eike era uma pirâmide da qual milhões fizeram parte porque quiseram acreditar em sua fábula. Erramos. Acontece. Os americanos tiveram Bernie Madoff.

Que sentido faz, agora, lincha-lo? Virou nossa especialidade? A Globo, que ajudou a montar o heroi, como fez com Cunha, não tira do ar a cena dele entrando num carro de cabeça raspada. O tamanho de sua cela e as companhias viraram fetiche.

Doria não vai eliminar de sua biografia os flagrantes de puxa saco de Eike Batista. Sua correria para tentar dar sumiço nesses rastros levanta apenas as suspeitas sobre essa relação que parecia íntima. Quem pagou a conta? Que negócios foram fechados?

Doria quer se livrar disso porque sabe que Eike Batista, como ele, era também uma farsa montada num marketing eficiente, mas de curto prazo, surfando numa circunstância especial.

A diferença entre eles, basicamente, é a peruca.

2 comments

  1. Richard SloanI didn’t mean to insinuate that the Surratt and Mudd societies had little to do with the erection of the Spangler marker. I just have it in my brain that Mike had a very high profile on the project, which , of course could not have been accomplished without the help of those twnoiganrzatioos.

  2. Hi There! We are searching for some people that are interested in from working their home on a part-time basis. If you want to earn $100 a day, and you don’t mind writing some short opinions up, this might be perfect opportunity for you! Simply click the link here NOW!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *