Churrasco de Temer fracassa e China também veta a carne nacional

O churrasco promovido por Michel Temer com embaixadores – numa casa de carnes importadas, diga-se de passagem – foi um fiasco; além da Coreia e de países da União Europeia, a China, maior importador mundial de alimentos, também suspendeu nesta segunda-feira as compras de carnes brasileiras, depois que a Polícia Federal divulgou, com estardalhaço, que os frigoríficos nacionais corrompem fiscais para vender carne podres nas merendas e frangos com papelão, o que é uma mentira grosseira; prejuízos bilionários aumentam a pressão sobre o delegado Moscardi Grillo, o mesmo que investigou o ex-presidente Lula, e que agora terá que revelar dados mais consistentes de sua investigação; quem pode cair a qualquer momento é o ministro da Justiça, Osmar Serraglio; ou por receber propina dos fiscais agropecuários, ou por não controlar operações pirotécnicas da PF

Brasil 247

O churrasco promovido por Michel Temer neste domingo 19 com embaixadores na Churrascaria Steak Bull, em Brasília – que por sinal, segundo um gerente do local, só serve carne importada – foi um fiasco.

Nesta segunda-feira 20, além da Coreia do Sul e da União Europeia, a China, maior importador mundial de alimentos, também suspendeu as compras de carnes brasileiras, depois que a Polícia Federal divulgou, com estardalhaço, que os frigoríficos nacionais corrompem fiscais para vender carne podres nas merendas e frangos com papelão, o que é uma mentira grosseira.

A informação sobre a suspensão por parte da China ainda não é pública, segundo a agência Bloomberg, que deu fontes em off, mas já circula entre os produtores brasileiros.

Os prejuízos bilionários aumentam a pressão sobre o delegado Moscardi Grillo, o mesmo que investigou o ex-presidente Lula, e que agora terá que revelar dados mais consistentes de sua investigação. Em dois anos de investigação, a PF só analisou produtos de uma empresa (leia aqui).

Leia::  Anão diplomático: Temer viaja à Noruega para ouvir que haverá corte de 50% no dinheiro para o Brasil

Quem pode cair a qualquer momento é o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, citado em grampo da investigação – ou por receber propina dos fiscais agropecuários, ou por não controlar operações pirotécnicas da PF. Ontem, ele já ficou de fora de reunião feita por Temer sobre a Operação Carne Fraca, sendo substituído pelo número 2 do ministério, José Levi.

Leia mais na reportagem da Reuters:

China suspende importação de carne brasileira e pede explicações

BRASÍLIA (Reuters) – O Ministério da Agricultura confirmou nesta segunda-feira que a China suspendeu a entrada de carne brasileira no país até o Brasil prestar esclarecimentos sobre suposto esquema de fraude em inspeções, revelado pela Polícia Federal, envolvendo pagamento de propina para a liberação de produtos sem fiscalização adequada.

Mais cedo, uma fonte na China havia dito à Reuters que a suspensão das compras de carne brasileira seria uma medida de “precaução”.

Segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), as exportações de carne do Brasil à China somaram 1,75 bilhão de dólares no ano passado, respondendo por cerca de 13 por cento do total.

A decisão chinesa ocorre após a Coreia do Sul intensificar as fiscalizações de carne de frango importada do Brasil e banir temporariamente as vendas de produtos de frango da BRF, maior produtora de carne de frango do mundo.

Além dos países asiáticos, a Comissão Europeia também disse nesta segunda-feira que está monitorando as importações de carne do Brasil e que todas as empresas envolvidas no escândalo de carne terão acesso negado ao mercado da União Europeia.

O Ministério da Agricultura afirmou não ter recebido ainda comunicado formal tanto da Coreia do Sul quanto da UE.

Leia::  Bomba: Inglaterra mudou regra do pré-sal e Temer cedeu a lobby da Shell

Em operação lançada na sexta-feira e batizada de Carne Fraca, a Polícia Federal mobilizou agentes para desarticular uma organização criminosa envolvendo fiscais agropecuários e cerca de 40 empresas, incluindo as gigantes BRF e JBS. A investigação apontou fraudes na fiscalização sanitária, com o pagamento de propina para liberação de mercadorias adulteradas e estragadas.

Em resposta, o Ministério da Agricultura informou que uma fábrica da BRF em Mineiros (GO) e duas unidades da Peccin em Curitiba (PR) e Jaraguá do Sul (SC) foram interditadas cautelarmente, e que equipes de auditoria foram designadas para apurar irregularidades em outros 18 estabelecimentos citados na operação da PF.

O ministério também disse no domingo ter emitido notas para as autoridades sanitárias estrangeiras, informando a natureza das investigações e as ações já adotadas.

O presidente Michel Temer voltou a minimizar nesta segunda os problemas com a carne brasileira, afirmando que os “números espancam qualquer dúvida” já que a imensa maioria dos frigoríficos sujeitos a inspeção não é alvo de suspeitas de irregularidades.

(Por Marcela Ayres)

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *