Após quebrar o País, Temer terá que voltar ao plano Levy e aumentar imposto

O alerta é do banco Credit Suisse: sem novos impostos, o Brasil, que entrou em colapso econômico depois do golpe de 2016, semeado em 2015 pela aliança PMDB-PSDB que plantou o “quanto pior, melhor”, não conseguirá controlar sua dívida interna; a recomendação é aumentar urgentemente os impostos, para conter um rombo que já é de 9% do PIB e só é menor do que o da Venezuela; ou seja: depois de quebrarem o País, as forças golpistas terão que abraçar o plano do ex-ministro Joaquim Levy, que pretendia aumentar impostos e trazer de volta a CPMF, no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff

Do Brasil 247

Em 2014, quando venceu as eleições presidenciais, a presidente Dilma Rousseff tinha um desafio: recompor a arrecadação federal, que vinha sendo afetada pela queda das commodities exportadas pelo País e da atividade econômica.

Naquele momento, o desemprego ainda era de 5,5% e havia espaço para novos impostos, como a CPMF.

Esse era um dos pilares do plano do ex-ministro Joaquim Levy para equilibrar as contas públicas.

No entanto, o político derrotado naquela eleição, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), decidiu se aliar ao deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), com um propósito claro: sabotar o País, promover a política do “quanto pior, melhor”, e assim produzir as condições de de insatisfação social para promover o impeachment sem crime de responsabilidade – ou seja, o golpe.

Mais do que simplesmente sabotar as propostas de Levy, Cunha e Aécio levaram adianta as pautas-bomba, ampliando o rombo fiscal.

2015, portanto, foi um ano em que Dilma não governou. Na prática, o Brasil foi governado pela aliança Cunha-Aécio, entre um político que pretendia se salvar e outro que não aceitou a derrota eleitoral. Resultado: queda de 5% do PIB.

Leia::  Recessão de Temer fechou 108,7 mil lojas e cortou 182 mil vagas em 2016

No ano seguinte, 2016, o desastre foi provado pela dupla Michel Temer e Henrique Meirelles, que aprofundou ainda mais a recessão, trazendo uma queda de mais 4% da atividade econômica.

Como o golpismo derrubou a produção do País e, consequentemente, a arrecadação federal, o resultado está estampado num relatório divulgado nesta terça-feira pelo banco Credit Suisse. Com um rombo de 9% do PIB, o Brasil tem hoje a pior situação fiscal do mundo – melhor apenas que a da Venezuela (leia mais aqui).

O Credit Suisse diz ainda que, para equilibrar a dívida interna, o Brasil só tem uma saída: aumentar impostos. Ou seja: Temer e Meirelles fatalmente terão que voltar ao plano Levy. Só que agora o desemprego não é mais de 5,5% – mais sim de 12%.

Ou seja: depois de quebrarem o País, terão que aprofundar ainda mais a recessão para evitar um calote.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *