A fake news da Globo no caso de Huck no Faustão dá uma medida do que o grupo fará em 2018

por Kiko Nogueira, DCM

Em seu perfil no Twitter, a Polícia Federal avisou, em tom retumbante, que “dará início nos próximos dias em Brasília às atividades de um grupo especial formado para combater notícias falsas durante o processo eleitoral”.

“A medida”, segue o texto, “tem o objetivo de identificar e punir autores de ‘fake news’ contra ou a favor dos candidatos”.

A comissão que vai cuidar do assunto incluirá representantes da Justiça Eleitoral e membros do Ministério Público, além do ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes.

Temos, desde já, um caso exemplar a servir como ponto de partida: o da apresentação de Luciano Huck no Faustão, em que ele se vendeu abertamente para as eleições.

O PT entrou com uma representação na Justiça, acusando campanha antecipada, pedindo pagamento de multa.

Em resposta, a Globo alegou que o programa havia sido gravado no dia 11 de novembro e ido ao ar sem conhecimento superior. Tá bom.

Era mentira, claro, como apontou Fernando Brito, do Tijolaço:

Se você olhar o vídeo oficial, da própria emissora, verá que a “entrevista” se inicia com uma pergunta sobre se choveu ou não no reveillon e qual dos filhos deu mais trabalho na festa. Huck chega a falar em estar no palco “nos primeiros dias de 2018”.

É evidente que o programa é recente, tão evidente quanto ter sido autorizado – ou determinado – pela direção da emissora.

Mas ninguém vai pedir explicações, como ninguém foi indagar desde quando e quanto Luciano Huck recebe de publicidade da Petrobras para apresentar um merchandising da empresa em seu programa, como se divulgou aqui.

Não é do interesse público, já que a empresa é pública e Huck se tornou um personagem público e político?

Mas se faz o silêncio, nada inocente.

O combate às fake news só fará sentido se a velha mídia responder pelos absurdos que comete.

A cascata deslavada da Globo sobre seu funcionário padrão e grande esperança branca dá uma noção do que o grupo será capaz de fazer em 2018.

Leia::  Folha descobre que Doria abandonou São Paulo para fazer campanha

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *