Brasil teve queda de desigualdade inédita entre 2002 e 2015

Da Revista Fórum

“O Brasil vivenciou uma inédita e sistemática queda da desigualdade no período recente, mas continua a ocupar a posição de um dos países mais desiguais do mundo.” Esta afirmação faz parte do relatório Faces da desigualdade no Brasil. Um olhar sobre os que ficam para trás, lançado no Colóquio Internacional O desafio da igualdade no Brasil e na América Latina, que ocorre nesta segunda e terça-feira, 27 e 28 de novembro, na cidade do Rio de Janeiro.

O estudo foi coordenado por Tereza Campello, ex-ministra de Desenvolvimento Social e Combate à Fome do governo Dilma Rousseff e doutora em políticas públicas em saúde (Fiocruz).

A publicação traz dados que mostram como em pouco mais de uma década, foram alteradas situações de desigualdade dadas como irreversíveis. Para a análise foram utilizados números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), de 2002 a 2015.

Segundo os pesquisadores Tereza Campello e Pablo Gentili, doutor em Educação e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, “considerando o Coeficiente de Gini, os dados são claros ao evidenciar uma queda na desigualdade de renda no período de 2002 a 2015, em patamares e com uma qualidade como não havia ocorrido na história brasileira”. Entre 1980 e 2001, esse coeficiente ficou congelado no elevado patamar de 0,59, caindo, em 2015, ao seu nível mais baixo, 0,49.

Para eles, “há uma leitura tendenciosa por parte da imprensa que insiste em desqualificar o processo de inclusão e redução da injustiça social no período recente em que o Brasil foi governado por forças progressistas. São narrativas contaminadas pelo ambiente de disputa política e que têm ocultado importantes avanços que impactaram os mais pobres, os negros, as mulheres, os nordestinos e nortistas, os que moram nas periferias, os invisíveis do campo, entre tantos outros brasileiros”.

Leia::  Mandem Temer para Patmos

Dados do relatório

O material mostra diversos avanços em relação à educação, habitação, saúde, acesso à infraestrutura e bens de consumo e à redução da desigualdade entre negros e brancos.

Entre os dados, o estudo afirma que cresceu 242% o número de pais e mães que completaram o ensino fundamental entre os 20% mais pobres.

Enquanto os brancos aumentaram sua presença na universidade de 1,8 milhão para 2,3 milhões de pessoas, com ampliação de 26%, os negros passaram de pouco mais de 400 mil para 1,6 milhão de jovens. O aumento foi de 268%.

O escoamento sanitário foi ampliado em 114% para a faixa mais pobre. O acesso à energia avançou sete vezes mais rápido entre os 5% mais pobres.

A mortalidade infantil recuou 45%. O atendimento médico na atenção básica para o público geral cresceu 64%.

A renda dos 20% mais pobres cresceu quase quatro vezes mais rápido que a dos mais ricos.

Em 2002, os pobres crônicos no Brasil somavam 9,3% da população, enquanto que em 2015 o percentual é reduzido para o índice de 1%, mesmo o país já estando sob os efeitos da crise internacional.

Perspectivas para o futuro

Os pesquisadores são pessimistas em relação à continuidade desses avanços. “A destituição da presidenta Dilma Rousseff deu início a um novo ciclo regressivo, que acarreta perdas de direitos imediatas à população mais pobre e vulnerável e o desmonte da rede de proteção social”, alertam.

“O resultado será o de sempre: mais pobreza, mais desigualdade, mais injustiça social. Se, por um lado, é certo que ganhos como os de escolaridade, formação profissional, saneamento são difíceis de reverter, mantendo os níveis ainda elevados de desigualdade, por outro, indicadores como a renda, o emprego e o acesso a serviços, são voláteis e podem ser facilmente desconstituídos”, concluem.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *